Especialista aponta os cuidados que se deve ter com a higiene e evitar contágio pela boca

Com a mudança de hábitos de higienização impostas pela pandemia do novo coronavírus, muita atenção se dá em manter as mãos e o rosto limpos. Mas é preciso ir além, e redobrar os cuidados com a higiene bucal, uma vez que descuidos com a boca podem aumentar as chances de contaminação de diversas doenças.

O manuseio de instrumentos diários na higiene da boca, como escovas e fios dentais, deve ser feito sempre com as mãos limpas – seguindo os protocolos recomendados pela OMS. Além disto, seguir práticas recomendadas por especialistas para a manutenção da saúde bucal neste momento contribui para evitar problemas odontológicos graves, lembrando que a saúde bucal está associada ao perfeito funcionamento de outros sistemas do corpo. Diante disso, o Dr. Edmilson Pelarigo, Diretor Clínico da OrthoDontic, maior rede de clínicas de ortodontia do Brasil, separou cinco dicas para manter a higiene bucal em dia neste período de quarentena. Veja abaixo:

Higienização

Além de escovarmos os dentes após as principais refeições do dia, precisamos nos atentar a alguns cuidados para que a higienização seja realizada de forma correta. O primeiro é evitar aplicar força na escovação, que deve ser feita de forma suave e com escova de cerdas macias para não machucar as gengivas.

Além disso, não dá para esquecer da língua e da parte interna das bochechas, pois elas retêm bactérias e devem ser igualmente higienizadas. Por último, mas não menos importante, vem a utilização do fio dental, que garante a limpeza de áreas que a escova dental não alcança. Quem usa aparelho dental deve contar com o auxílio de facilitadores, como o passador de fio e a escova ortodôntica.

Visitas ao consultório

Ainda que tudo esteja aparentemente bem, é recomendável que uma visita ao dentista seja feita, no mínimo, a cada seis meses, pois problemas pequenos podem crescer, tornando-se perigosos – e caros – para o paciente. Mas lembre-se: em tempos de distanciamento social, a consulta deve ser feita apenas em casos de urgência e emergência. Seis meses é também o tempo de intervalo recomendado para que se faça uma limpeza profissional com o dentista, evitando acúmulo de tártaro, gengivite e cáries.

Leia Também: 5 dicas de como manter a saúde emocional em tempos de isolamento social

Publicidade

Alimentação

A alimentação pode ser inimiga ou aliada da saúde bucal. Os alimentos chamados “detergentes” são capazes de ajudar a livrar os dentes de resíduos e gorduras, como a maçã, a cenoura, o kiwi, a acelga e o pepino, entre outros. Por outro lado, os açúcares e carboidratos presentes e refrigerantes e chocolates, por exemplo, aumentam a acidez na boca, proporcionando um ambiente ideal para a proliferação de bactérias causadoras das cáries.

Mudança de hábitos

Alguns hábitos comuns podem ser extremamente nocivos para a saúde bucal, como roer unhas e rasgar embalagens com os dentes, desgastando o esmalte ou mesmo provocando fissuras. O cigarro é também um dos maiores inimigos do sorriso perfeito, deixando os dentes amarelados, causando mal hálito e problemas gengivais.

Já o bruxismo, que consiste no ranger constante de dentes, não é bem um hábito, mas deve ser observado e tratado junto ao dentista. À longo prazo, além de dores de cabeça e outros incômodos, pode provocar desgastes severos ou até quebrar os dentes.

Cuidado com os tratamentos caseiros

Clareamentos feitos sem o acompanhamento do dentista, com auxílio receitas caseiras ou produtos comprados em mercados e farmácias podem causar a corrosão do esmalte e manchar os dentes. Quem deseja melhorar a aparência do sorriso deve procurar um especialista de confiança, que realizará o procedimento mais indicado para cada caso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.