Divulgação
Divulgação

Por Roney Giah

O sucesso mundial de O Tigre e o Dragão, coprodução da China e Estados Unidos, lançado em 2000 – que custou 17 milhões de dólares e teve um faturamento de 213 milhões (em valores da época) – deixou uma valiosa lição para o país asiático: a propaganda mundial da cultura chinesa por meio do audiovisual era muito mais eficaz se o país utilizasse a parceria e o know-hownorte-americano para alavancá-la. Uma outra lição igualmente valiosa foi aprendida pelos norte-americanos: o mercado bilionário chinês não podia ser menosprezado. Embora a guerra comercial China x Estados Unidos esteja, nos dias de hoje, a todo vapor, os países se recusam a inserir as coproduções sino-americanas nessa guerra. E é fácil entender o porquê dessa proteção.

Não é de hoje que filmes internacionais precisam ter edição especial – vulgo censura – para obter o aval da Administração Nacional de Rádio e Televisão Chinesa (SARFT) e entrar no farto mercado chinês, a maior bilheteria de cinema do mundo. Segundo estudo da Price water house Coopers, os cinemas chineses terão bilheteria de U$ 12.28 bilhões em 2020, comparado com U$ 11.93 bilhões dos Estados Unidos. Mas, a censura não é a única demanda da SARFT. Existe também uma taxa considerável de importação.

LEIA TAMBÉM:  Netflix fica sem Disney: Amazon é o novo lar de suas séries e filmes na América Latina

A brecha inteligente criada pelo governo chinês nesse sistema é que a taxa de importação é inexistente no caso de uma coprodução na qual a China seja uma das partes. Nesse caso, Estados Unidos teria as portas abertas para a maior bilheteria do mundo com isenção de imposto; em contrapartida, a China teria uma participação igualitária nos lucros em vez de uma taxa pré-fixada via imposto.

LEIA TAMBÉM:  Disney procura os protagonistas do live-action de Branca de Neve

E é daí que surge um mercado cada vez mais crescente. Desde a recente aquisição da Legendary Entertainment Pelo fundo chinês Dalian Wanda Group Por 3,5 bilhões de dólares, passando pela joint-venture sino-americana da DreamWorks Animation – com empresas de investimento chinesas resultando na “Oriental DreamWorks” – até o acordo entre Alibaba Pictures e a Paramount (onde a primeira é, ao mesmo tempo, investidor e agência de marketing em território chinês), tudo isso resultou em coproduções como: A Grande Muralha, com Matt Damon e direção de Yimou Zhang; Transformers: a Era da extinção, de Michael Bay; Kung Fu Panda 3; Mega Tubarão, com Jason Statham; O Arranha-Céu, coragem sem limite, com Dwayne “The Rock” Johnson; e tantos outros como Mulher Maravilha, Missão Impossível Pacific Rim: Uprising.

LEIA TAMBÉM:  The Stripper Websérie que retrata a rotina de uma stripper

Essa tendência mercadológica, que pode afrouxar a burocracia bizantina chinesa, claramente possibilita o crescimento de ambos os países. O futuro da parceria depende do quanto a guerra comercial do presidente Trump irá escalar e da China priorizar o crescimento econômico acima de sua política protecionista.

Pelo tamanho da lista de lançamentos para 2020 com coprodução sino-americana, tudo indica que ambos países pretendem continuar ampliando a parceria e os bolsos. O mercado audiovisual, cada vez mais sem fronteiras, agradece.

Gostou dessas informações? Comente e diga o que achou! Acompanhe o nosso site para continuar vendo artigos como este