domingo , 3 março 2024
Ínicio Notícias ‘Fome emocional’ leva brasileiros a comerem por ansiedade, estresse ou outras causas emocionais; saiba como evitar
Notícias

‘Fome emocional’ leva brasileiros a comerem por ansiedade, estresse ou outras causas emocionais; saiba como evitar

145

A alimentação não é apenas um ato de reposição das energias do corpo, mas também uma fonte de prazer – inclusive em situações de estresse e ansiedade. Em um país como o Brasil, no qual quase 10% da população sofria de ansiedade em 2019, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a fome emocional é um problema comum que deve ser enfrentado.

A fome emocional é o hábito de sentir vontade de comer sem real necessidade, mas por razões emocionais, como raiva, tristeza, angústia, ansiedade, estresse e outros. “Ela é diferente da fome fisiológica, que corresponde à necessidade do nosso organismo de buscar energia e nutrientes para as nossas atividades do dia-a-dia”, explica a nutricionista e professora do curso de Nutrição do Centro Universitário Una, Cristiana Araújo Gontijo.

Devido à dificuldade no gerenciamento das emoções, um planejamento alimentar correto é essencial para combater a fome emocional, que aumenta o apetite e estimula a ingestão de alimentos hipercalóricos e ricos em carboidratos, gorduras, sais e açúcares refinados, como doces, salgadinhos e bolachas recheadas, que funcionam como fontes de prazer e recompensa instantânea. Isso pode acarretar em complicações para a saúde, como obesidade, hipertensão, diabetes e câncer.

Combate à fome emocional

Para combater a fome emocional, é preciso rever a rotina alimentar, planejando refeições bem distribuídas durante o dia; beber bastante água; realizar atividades físicas; se policiar em relação às quantidades dos alimentos; e incluir alimentos ricos em fibras, que levem à saciedade, como frutas, hortaliças, leguminosas e grãos. “Alimentos que regulam o humor, com triptofano e vitamina B, também são importantes, como carnes magras, ovos, leites e derivados, banana e abacate”, orienta Gontijo.

Mas, não basta substituir os alimentos para tratar a fome emocional. “Uma dica que eu dou, como nutricionista, é fazer um diário alimentar. Nesse diário, a pessoa deve anotar todos os alimentos que ela ingeriu durante o dia, indicando as quantidades e as emoções que ela sentiu ao procurar aquele alimento. Isso pode ajudá-la a ter mais consciência dos seus hábitos alimentares”. Procure também o auxílio de um profissional de nutrição em Macaé para orientações específicas e apoio nesse processo.

Estar presente no momento das refeições também é uma orientação valiosa para as pessoas que sofrem com a fome emocional. “Nós temos que dar importância para os horários de alimentação. Precisamos desacelerar o ritmo e comer devagar, respirando com tranquilidade e sentindo os sabores dos alimentos, sem a presença de telas ou outras distrações, para que a consciência alimentar seja ativada”.

Para concluir, Gontijo ressalta que a mudança dos hábitos alimentares é uma das etapas no combate à fome emocional, mas, para além disso, é preciso procurar a razão deste problema. “A causa está ligada à emoção e, por isso, precisamos desenvolver atividades que nos auxiliem no gerenciamento das emoções ao longo do dia, preferencialmente com a orientação de um profissional da psicologia”.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Notícias Relacionadas

Noemia Oliveira encerra com estilo: Despedida explosiva da inesquecível Kirida em “Fuzuê”!

Hoje marca o encerramento emocionante do folhetim global das 19h, “Fuzuê“, que...

Fuzuê: Pascoal foge da cadeia e morre com César em embate final

Após ser condenado e preso, Pascoal (Juliano Cazarré) foge da cadeia em...

Fuzuê: Merreca apodrece na cadeia enquanto Preciosa desfruta de fortuna roubada

Enquanto Merreca (Ruan Aguiar) apodrece na cadeia pelos seus crimes, Preciosa (Marina...