Pesquisa do Yubo com quase 6 mil jovens brasileiros de 13 a 25 anos procurou entender a cultura do cancelamento online

A cultura do cancelamento já deu as caras muitas vezes nos últimos meses atuando diretamente contra influencers e celebridades brasileiras. A prática considerada recente consiste em campanhas online que ganham força nas redes sociais conforme usuários chamam atenção para atitudes e comentários que consideram erradas e denunciam a pessoa responsável para que seja punida e responsabilizada de alguma forma. Embora o cancelamento ser uma prática do universo online, muitos jovens da geração Z não concordam com a movimentação, de acordo com pesquisa feita pelo Yubo.

Continua após as recomendações

A plataforma social de lives focada em fornecer um ambiente online seguro onde os jovens têm a liberdade de socializar entre sua própria faixa etária realizou pesquisa com quase 6 mil respondentes brasileiros em outubro deste ano. Cerca de 72% dos usuários afirmou que nunca cancelou alguém apesar das muitas movimentações online.

Parte da motivação está na falta de resultados do cancelamento: 49% não acredita que as pessoas canceladas realmente revejam suas ações buscando mudanças.

Ao mesmo tempo, apesar de não concordarem com a cultura do cancelamento, 57% considerariam cancelar alguém que repetidamente teve atitudes erradas e preconceituosas. Cerca de 65% dos entrevistados acreditam que uma campanha e movimentação na internet é a forma mais eficaz de responsabilizar alguém e exigir mudanças concretas.

Cancelamento entre amigos 

A pesquisa verificou que a cultura do cancelamento não intimida somente pessoas famosas nas redes sociais: 51% dos entrevistados diz sentir medo de ser cancelado entre os amigos.

Esse receio fez com que 25% deles não postassem fotos de alguma atividade em suas redes sociais por conta do risco de cancelamento. Ao mesmo tempo 26% afirmou que postou fotos sabendo do “risco” de que poderia ser excluído de seu grupo.

Há poucos meses no Brasil, o Yubo registrou 1300% de crescimento no país entre março e setembro, durante o período de isolamento social por conta da pandemia de covid-19. A plataforma de lives sem métricas como curtidas, seguidores ou comentários foi selecionada por 58% dos usuários como a menos provável de cair na cultura do cancelamento justamente por sua ausência de métricas que muitas vezes geram um ambiente de pressão social.

“A cultura do cancelamento tem crescido online e é algo que impacta diretamente a experiência dos jovens nas redes sociais. É importante entender os receios e oferecer espaços seguros em que seja possível uma socialização sem medo, mas que ao mesmo tempo exija responsabilização por parte daqueles que tenham comportamentos preconceituosos”, diz Sacha Lazimi, cofundador e CEO do aplicativo com sede na França.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.