More

    4 curiosidades reais sobre Emily em Paris, a série da Netflix

    A segunda temporada de Emily em Paris desembarcou recentemente no Netflix: dez novos episódios muito esperados criados pelo showrunner Darren Star – já conhecido por ter trabalhado em Sex And the City – após uma primeira temporada muito comentada: por um lado criticado, especialmente na França, onde foi acusada de exagerar em clichês, por outro lado extremamente apreciada pelo público e recompensada pelas avaliações. Graças aos ares parisienses, às cores vivas e à leveza da história, assistir às aventuras da nossa protagonista é como respirar o ar puro do mundo antes da pandemia, onde você poderia viajar e estar em contato com centenas de pessoas, todos os dias, sem medo e medo.

    Episódio após episódio, você é arrastado por um turbilhão de leveza e, em breve, com sua cabeça você viaja com sua imaginação! Talvez seja exatamente por isso que a vida de Emily é tão envolvente: uma jovem gerente de mídia social de Chicago tem a oportunidade de gerenciar o departamento de marketing da Savoir. Agência francesa histórica. A jovem, com uma relação permanente e já com uma vida bem enraizada na sua cidade, após inúmeras hesitações decide partir e embarcar nesta aventura (apesar de não saber absolutamente nada sobre a França). Porém, fixar-se na capital francesa será mais difícil do que o esperado e, em breve, toda a sua vida será totalmente dominada por uma onda de novidades!

    Veja 4 curiosidades que descobrimos sobre Emily em Paris, a série mais glamorosa que existe:

    1) Não há truque e não há engano

    As filmagens de Emily em Paris realmente aconteceram inteiramente na capital francesa, especificamente em e nos arredores de Paris! Todos os monumentos que vemos nos episódios são reais e não houve necessidade de montar cenários fictícios ou usar telas verdes para reconstruí-los virtualmente. A história envolve alguns dos locais turísticos mais famosos, mas também pequenos e preciosos lugares escondidos, bem como restaurantes e cafés renomados. Entre esses cenários, está Saint-Tropez, um dos locais mais exclusivos da Côte d’Azur, onde algumas sequências foram feitas. Enquanto, em outro episódio, Emily entra no imponente Palais Garnier, um monumento histórico da França construído entre 1861 e 1875, para testemunhar o Lago dos Cisnes. Na segunda temporada, também aparece o Le Grand Véfour, famoso restaurante das estrelas.

    Mas isso não é tudo! Em Emily, em Paris, também vemos uma famosa ponte, a Ponte Alexander III, que conecta o Grand Palais e o Petit Palais ao Hôtel des Invalides. É uma imponente estrutura construída nos anos 1900, já conhecida por ter sido protagonista de alguns filmes, incluindo Midnight in Paris de Woody Allen .

    2) A vida de uma parisiense

    Atores, sabe, para ter um melhor desempenho na interpretação de seu personagem acabam tendo que se imergir totalmente no papel! Lily Collins também não é exceção porque, durante as filmagens de Emily em Paris, ela morou por cerca de quatro meses como uma verdadeira parisiense, em um apartamento, onde lidou com alguns dos acontecimentos engraçados que vimos na primeira temporada da série. A atriz, aliás, disse que teve que lidar com a falta de luz, aquecimento e… até mesmo o bloqueio de um elevador! Ter empatia com Emily depois de todos esses acontecimentos inesperados é natural! Paris, ao que parece, não foi uma cidade fácil tanto para ela quanto para sua personagem!

    3) A inspiração dos figurinos

    A figurinista da série Emily em Paris, a americana Patricia Field, já é conhecida por criar as roupas de mais uma série de sucesso. Vamos falar sobre a série precursora de Emily em Paris, a Sex and The City. É evidente a forma como os trajes escolhidos e os locais em que a história se passa remetem fortemente aos do célebre espetáculo dos anos 2000, que marcou toda uma geração e continua a emocionar milhares de telespectadores. Se você sentia saudade do closet de Carrie Bradshaw, centenas de sapatos, as roupas mais atraentes e sedutoras, seus desejos foram realizados porque Field na verdade, ela inventou o Carrie Style 2.0, uma versão atualizada do estilo da nossa querida, para vestir a jovem Emily

    Além disso, a figurinista disse que também se inspirou em outro clássico do cinema mundial: An American in Paris, filme de 1951.

    4) O restaurante realmente existe

    O lugar de que falamos não é qualquer um, mas aquele que em Emily em Paris foi rebatizado de Les deux compères, onde trabalha o charmoso Chef Gabriel. O maravilhoso restaurante de janelas vermelhas que vemos várias vezes na série não é uma reconstrução de cenário, mas existe mesmo. O seu nome é Terra Nera e a maior surpresa é que se trata de um restaurante que faz cozinha italiana. Desde que Emily em Paris desembarcou na Netflix com sua primeira temporada, parece que este restaurante se tornou uma parada fixa para os transeuntes que se veem passeando no 5º arrondissement de Paris, bairro onde também fica a famosa Universidade Sorbonne.

    O restaurante, que nos anos 1920 era um talho, situa-se precisamente na Rue des Fossés Saint-Jacques 18 e tornou-se o conjunto de numerosas fotografias que têm como pano de fundo os vitrais reconhecíveis que vemos na série! Os pratos principais do seu cardápio são os pratos principais de costeleta, massas e peixes à milanesa. Além disso, os proprietários Johann Baranes e Valerio Abate contaram ao Le Figaro como suas vidas viraram de cabeça para baixo desde que a série deu popularidade ao seu restaurante e os clientes os procuram todos os dias!

    SIGA O ATITUDE E VISÃO NAS REDES SOCIAIS

    Leia Também:

    Comentários

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    DESTAQUES:

    Você não pode copiar o conteúdo desta página