terça-feira , 25 junho 2024
Ínicio Vida e Estilo Beleza Botox da Barbie ou TrapTox: especialista alerta para os riscos do procedimento estético
Beleza

Botox da Barbie ou TrapTox: especialista alerta para os riscos do procedimento estético

116

Botox da Barbie ou TrapTox é uma prática de beleza que viralizou principalmente nos EUA e foi vista e compartilhada milhares de vezes nas redes sociais com a hashtag #barbiebotox. No Brasil, ainda são poucos os relatos de quem aderiu, mas como a indústria da beleza é bastante aquecida e o país está no topo da lista de procedimentos estéticos no mundo, há de se esclarecer que trazer a aparência da Barbie afinando os ombros e alongando o pescoço traz riscos – e eles devem ser considerados.

É o que explica a médica cirurgiã Patrícia Marques, membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, com especializações em Barcelona e em Nova York. “A toxina botulínica enfraquece e pode até paralisar o músculo, mas quando aplicada em uma dose inadequada, em excesso, no caso, pode prejudicar a firmeza da cabeça e até a mobilidade dos membros superiores”, diz.

De acordo com a médica, o uso da substância off label – ou seja, de maneira diferente da prescrita na bula – não está recomendado, pois ainda não há estudos sobre a indicação, contraindicação, eficácia e, principalmente, a segurança. Trata-se de um procedimento que oferece mais riscos do que um simples botox para amenizar as rugas, por exemplo, que já é feito há décadas e tem bastante estudo, conhecimento e segurança a respeito.

Segundo Marques, o procedimento não é indicado, mas se fosse para recomendar a alguém, seria somente para quem têm o pescoço mais curto e quadro de saúde saudável. Ela ainda alerta que pessoas que apresentem alguma doença motora, algum tipo de paralisia ou déficit de força motora de qualquer natureza, seja por acidente, seja por um AVC ou doença neuromuscular, devem realmente passar bem longe do TrapTox, a aplicação de botox no trapézio.

“Importante reforçar que isso sempre tem que ser feito por um médico que tenha experiência nesse tipo de procedimento porque envolve riscos, sim. A toxina tem um tempo de ação limitado, geralmente de 4 a 6 meses, e no caso de um problema, possivelmente ele teria um caráter revogável, mas ainda assim, isso não deve ser feito de maneira imprudente e impensada, mas sempre por médicos que tenham alguma experiência no assunto”, enfatiza Marques.

A cirurgiã plástica finaliza reforçando que a grande questão é que diferente dos procedimentos estéticos que são feitos no rosto e alguns que são feitos com a toxina botulínica para paralisias e outros problemas de saúde, a comunidade médica já tem conhecimento e uma segurança maior nesses procedimentos, o que não se aplica ao TrapTox.

Compartilhar: