sexta-feira , 14 junho 2024
Ínicio Destaque Dubladores brasileiros se unem para proteger seu ofício contra a Inteligência Artificial
DestaqueNotícias

Dubladores brasileiros se unem para proteger seu ofício contra a Inteligência Artificial

156

Dubladores do Brasil estão se mobilizando para criar regras sobre o uso da inteligência artificial (IA) em filmes, séries e jogos. Eles estão preocupados que a IA possa substituir os dubladores humanos ao imitar vozes com base em padrões encontrados na internet.

A United Voice Artists, um grupo global de associações de dublagem, está liderando uma petição que já conta com mais de 50 mil assinaturas. O objetivo é impedir que robôs substituam dubladores humanos, preservando a autenticidade e a qualidade do trabalho.

Veja também:

Recorde de indicações no Oscar 96ª edição: Oppenheimer retorna aos cinemas brasileiros

Raphael Rossatto dubla Ethan Winters em novo jogo Resident Evil Village

Você sabia que Xena e Paola de A Usurpadora são na verdade a mesma pessoa? Entenda

O uso da IA em produções audiovisuais tem sido tema de debate em todo o mundo, e foi uma das razões para a greve de atores em Hollywood no ano passado. A greve durou quase quatro meses, sendo a segunda mais longa da história da categoria.

No Brasil, o movimento “Dublagem Viva” destaca a necessidade de regras para equilibrar avanços tecnológicos, preservar empregos e garantir a qualidade das dublagens. Os artistas desempenham um papel crucial ao adaptar personagens à cultura e ao contexto brasileiro.

Apoiado por Dubladores Famosos no Brasil

Wendel Bezerra, a voz brasileira de Goku em “Dragon Ball”, e Gilberto Baroli, responsável pela versão brasileira do personagem Saga em “Os Cavaleiros do Zodíaco”, apoiam ativamente o movimento.

Proposta de Lei para Regularizar Uso de IA nas Dublagens

Marcelo Mattoso, especialista em Mercado de Games e eSports, sugere a criação de uma lei para guiar essa discussão. Ele destaca que o foco não é proibir a IA, mas garantir a qualidade das dublagens e a continuidade do trabalho dos profissionais.

Segundo Mattoso, uma eventual lei poderia incluir a proibição da replicação de vozes por IA, respeito às leis de direitos autorais, evitando conteúdos discriminatórios e a participação ativa de profissionais, especialistas e sociedade civil na regulamentação.

Pesquisas indicam que 80% dos brasileiros preferem a dublagem em português. No entanto, sem uma lei, a continuidade dos dubladores no mercado é incerta, pois a IA pode simular dublagens muito próximas às originais.

Desafios e Necessidade de Regulamentação para Garantir o Futuro dos Dubladores

Marcelo Mattoso alerta que, sem regras claras, estúdios podem optar pela IA nas dublagens, tornando imprevisível o impacto no mercado. Ele destaca a importância de uma legislação para proteger os dubladores e garantir qualidade para o público brasileiro.

Compartilhar: